21 junho 2006

Há dias assim

Tantas vezes me pergunto
quem sou
quem desejaria ser
penso ser sonho
ou ilusão premeditada
gosto de me ler na água
quando corre cristalina
assim digo não ao ocaso
pois na noite também existo
tantas vezes me pergunto
sobre o sentido da vida
pois não deixo de ser sentimento
nem ignoro sentir dor
assim evito o mero refúgio
e digo não às sombras
nao quero cair na letargia
nem na nobre aparência
sou pessoa e acredito
sou humano e vacilo

Autoscopia por José Gomes Ferreira

Obrigada India.

3 comentários:

India disse...

Obrigada pela partilha. Há dias assim e o poema é lindíssimo.

Badala disse...

O poema reflecte-se dentro de nós...

nokas disse...

Lindissimo.....!Continue a dar-nos assim bons momentos de poesia.