15 janeiro 2006

Luz na Cidade


Está em cena no Teatro Aberto a peça "Luz na Cidade" (Shining City) de Conor McPherson. Encenada por João Lourenço, com interpretação de Marco Delgado, Nuno Gil, Rui Mendes e São José Correia.

João, a quem morreu a mulher recentemente, procura a ajuda de um psicólogo. Nuno é o psicólogo e percebemos que pretende refazer a sua vida. É um ex-padre, estudou psicologia e envolveu-se com Elisa, da qual tem uma filha. Elisa acompanhou-o sempre nos momentos difíceis.

João vive atormentado pois viu, em casa, o fantasma da mulher. Apareceu-lhe com o cabelo molhado e com um casaco vermelho forte. Para fugir à situação vai para um hotel.

Nuno discute com Elisa, percebe que esta se envolveu com outra pessoa e põe em causa a paternidade da filha. Avizinha-se a ruptura.

Percebemos como foi a vida de João com a sua falecida mulher, Marta. Sem filhos e sem grandes momentos.

Descobrimos um pouco mais de Nuno, quando um dia dá um passeio pelo parque e convida para casa um rapaz.

A peça conduz-nos através dos dramas individuais das personagens, como estas se descobrem a si próprias e resolvem os seus problemas.

Rui Mendes destaca-se no elenco. Dá vida à personagem de João de forma irrepreensível. É um verdadeiro senhor do teatro. Marco Delgado convence-nos com a representação de Nuno. É um actor que promete.

Nuno Gil é o rapaz do parque, procura criar o estereótipo de um jovem com problemas que precisa de dinheiro. Para criar a sua personagem desenvolveu um conjunto de tiques que o ajudam a dar consistência à personagem. São José Correia é Elisa, entra num registo um pouco histérico mas consegue agarrar o personagem.

"Luz na Cidade" é uma peça com bons momentos de humor. Mostra-nos os encontros e desencontros da vida, o modo como a espiritualidade e aquilo em que acreditamos nos afecta ou como pode mudar de um momento para o outro. Vale a pena!

3 comentários:

mm disse...

Óptimo. Já tinha pensado ir vê-la, mas agora não restam grandes dúvidas.

totoia disse...

Parece interessante. Vou tentar ir ver.

Anónimo disse...

Vale mesmo a pena! estou lá a trabalhar, já vi a peça 100 vezes, e mais cem verei! :D